Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘estratégia’

Read Full Post »

Read Full Post »

Por Boris Hermanson

Na hora de definir a estrutura de sua equipe de vendas, muitos empresários da indústria e do atacado ficam em dúvida se devem contratar os serviços de uma empresa de representação comercial ou se é melhor montar uma equipe formada por vendedores próprios. Vale lembra que no caso dessas atividades, a saber, indústria e comércio atacadista, essas equipes atuaram junto as empresa do setor varejista.

A primeira providência para se definir qual o melhor modelo para sua equipe de vendas é entender os prós e contras de cada uma dessas modalidades.

Representante Comercial

Vantagem

A grande vantagem na contratação de uma empresa de representação comercial é o custo reduzido desse tipo de contratação.

A contratação de uma empresa de representação comercial não gera custos na folha de pagamento e nos encargos sociais da empresa contratante, que neste caso recebe o nome de empresa representada, uma vez que não existente vínculo empregatício entre estas empresas. Sendo assim, o custo final dessa contratação se limitará ao pagamento das comissões incidentes sobre os negócios intermediados pela empresa de representação comercial.

Entretanto, para que não ocorra a formação do vínculo empregatício com a empresa de representação comercial, é necessário que ela esteja devidamente legalizada, possuindo inscrição regular junto no CNPJ – Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas, da Secretária da Receita Federal do Brasil – e registro junto ao Conselho Regional de Representação Comercial do Estado onde estiver localizada.

Além disso, para se evitar a formação do vínculo empregatício, é necessário que o contrato entre a empresa de representação comercial com a empresa representada seja escrito, devendo ser elaborado em conformidade com as Leis n.º 4.886/65 e 8.420/92, que regulamentam esta atividade. Também é aconselhável que a empresa de representação comercial tenha vários clientes, ou seja, que ela representar empresas variadas que não sejam concorrentes entre si, reduzindo-se ainda o risco de vínculo empregatício com ela.

(mais…)

Read Full Post »

Por José de Arimatéa Dantas

Imagine uma disputa de cara ou coroa em que você tenha apenas R$ 1,00, contra um adversário com R$ 128,00, e que a regra do jogo é que o valor de cada aposta seja igual ao valor possuído por quem tiver menos dinheiro.

Dentro deste contexto, a situação do seu oponente é muito confortável, pois ele não corre o risco de perder tudo logo de cara.

E olha que jogo ingrato: quando se joga uma única vez, a porcentagem de ganho é de 50% para cada jogador, pois ou dá cara, ou dá coroa. Mas quando se joga duas vezes a moeda, o quadro piora, pois passa a haver quatro possibilidades de acontecimentos: sai cara nas duas vezes, sai coroa nas duas, sai cara na primeira vez e coroa na segunda ou sai coroa na primeira e cara na segunda.

(mais…)

Read Full Post »

Por Júlio Tadeu Alencar

O futuro de uma empresa depende de sua capacidade de atender requisitos de qualidade como produto/serviço, preço, prazo de entrega, que satisfaçam as demandas e expectativas de seus clientes.

Estando com o problema requisito da qualidade resolvido, temos agora um outro grande problema: a competitividade entre empresas concorrentes, fator que pode definir o sucesso ou o fracasso de nossa empresa. Em meu entender, podemos avaliar o grau de competitividade de uma empresa, perante suas concorrentes, levando em conta os seguintes fatores:

duvidamen

(mais…)

Read Full Post »

Older Posts »